Autor

Tiago Henrique Gomes

Categoria

Últimas Notícias

Data

27 de Maio de 2020

O governo de São Paulo anunciou nesta quarta-feira (27), a prorrogação da quarentena no estado de SP por 15 dias com a adoção de flexibilizações progressivas. Elas serão feitas levando em conta os números de cada município a partir do dia 1º de junho.

Denominado como “retomada consciente”, o plano tem cinco etapas. Cada região de São Paulo será classificada em fases de acordo com os critérios definidos pela secretaria estadual da Saúde e pelo Comitê de Contingência para Coronavírus.

Segundo Dória, governador de São Paulo, a retomada será possível nas cidades que tiverem redução consistente do número de casos, disponibilidade de leitos em seus hospitais públicos e privados e estiverem obedecendo o distanciamento social nos ambientes públicos, além do acatamento do uso obrigatório de máscaras.

A cor de cada região do mapa é determinada por uma série de critérios, entre eles taxa de ocupação de UTIs e total de leitos a cada 100 mil habitantes. Esses indicadores são avaliados junto com dados de mortes, casos e internações por Covid-19 para determinar a fase em que se encontra cada região. O governo não revelou, no entanto, qual é o peso dado para cada indicador na definição das fases por região.

Fase 1, vermelha: alerta máximo, funcionamento permitido somente aos serviços essenciais

Fase 2, laranja: controle, possibilidade de aberturas com restrições

Fase 3, amarela: abertura de um número maior de setores

Fase 4, verde: abertura de um número maior de setores em relação à fase 3

Fase 5, azul: “Normal controlado” – todos os setores em funcionamento, mas mantendo medidas de distanciamento e higiene

A cidade de São Paulo vai se enquadrar na fase 2, cor laranja do novo modelo de quarentena do estado. Já o Grande ABC e toda a região metropolitana – na fase 1, vermelha. Essa programação ocorrerá entre 1º e 15 de junho.

Cada região será avaliada periodicamente de acordo com os indicadores de saúde, verificando se cumprem os critérios estabelecidos para avançar de para a fase de maior relaxamento a cada 14 dias ou voltar para uma fase mais restrita a cada 7 dias (ou imediatamente, caso haja evidência da piora da situação).

Os principais critérios são: taxa de isolamento, número de casos da doença e taxa de ocupação dos leitos de UTI.

Só poderão iniciar a retomada das atividades:

• Cidades que tiverem taxa de isolamento de pelo menos 55%;

• Cidades que tiverem redução no número de novos casos por 14 dias seguidos;

• Cidades que tiverem disponibilidade de leitos de UTI

• Com manutenção do distanciamento social nos ambientes públicos

• Cidades com uso obrigatório de máscaras