Cenário de Crise

//Cenário de Crise

Cenário de Crise

O Cenário econômico atual, não apresenta bons resultados. Os números não são atrativos e as projeções para o último bimestre de 2015 e 2016 também não são animadoras.

Segundo relatório publicado pelo Banco Mundial há estimativas de recuo nos números, pois a economia brasileira deverá ter recessão de 2,56% em 2015 e de 0,61% em 2016. Devido a essas previsões o Produto Interno Bruto (PIB) do país sofrerá recessão de 7,37% e 3,75%. Em âmbito continental, a Economia do Brasil só perde para a Venezuela na América do Sul; e se tratando no âmbito mundial, o país está na posição 77º dos países mais ricos do mundo em níveis de PIB.

Para o Dólar, a situação não é diferente, nos últimos meses tem apresentado crescente valorização e isso afeta fortemente as empresas que realizam operações no mercado internacional. Fazendo uma breve análise nos últimos 365 dias a maior alta da moeda americana foi de R$ 4,19. Hoje (12/11/2015) o Dólar foi cotado a R$ 3,799 taxa superior ao que foi apresentado em 12/11/2014 quando a moeda era cotada a R$ 2,555; tendo R$ 1,24 de aumento.

Essa alta da moeda americana não inspira investimentos e afasta qualquer tipo de planejamento que o empresário poderia vir a fazer com a moeda. Atrapalha até as famílias brasileira que tinha planos passar as férias no exterior, pois as despesas com a viagem hoje pode ser até o dobro do que foi programado.

Nossos representantes políticos, muitas vezes insistiram em dizer na mídia que a crise não chegaria no Brasil, mas chegou. É um momento de resseção sim! A economia está andando para trás.

As famílias estão reduzindo seu consumo por consequência do desemprego e pela insegurança econômica, muitos temem pelo amanhã, se terão ou não dinheiro para suprir suas necessidades básicas – ação que ajuda ainda mais a desaceleração da economia.

As indústrias estão com seus estoques altos e baixa produção devido à queda nas vendas, segundo dados do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (IEDI) a produção recuou 9,5% no terceiro trimestre de 2015 em consequências desses fatores geram a necessidade do empresário reduzir os gastos, levando-o a promover férias coletivas, demissões e nos piores casos chegam até encerrar suas atividades. As pequenas empresas que mais estão sendo afetadas com a crise, muitos não aguentam e fecham as portas por dificuldade em conseguir crédito no mercado – fato que também prejudica ainda mais a economia, pois sabemos que os micro e pequenos empresários representam 27% no nosso PIB e são responsáveis por gerar cerca de 52% dos empregos.

Para o comercio, a situação não é outra. Cenário de retração, pois os comerciantes nesse período do ano deveriam estar contabilizando seus lucros e contratando funcionários para alta temporada, hoje estão preocupados com previsões que queda. As ceias tradicionais de fim do ano serão mais “light” em 2015, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) as vendas para o Natal devem cair em 4,1% e terá cerca de 50% de redução na contratação de vagas temporárias.

O cenário está crítico para todos os setores – o que fazer? fechar as portas? Retirar as economias do banco e guardar em casa? Estocar mantimentos? Parar de gastar?

As respostas são não par todas. Se tratando do mercado consumidor não deve haver ação radical, pois como já comentamos nesse artigo isso “trava” a economia. Agora falando em empresa, essa foi constituída sem data para fim, nenhum empresário abriu sua empresa com objetivo de encerra-la nos próximos dois anos, então é um negócio que nasceu para durar de geração em geração.

Mas como superar a crise? A ação não deve ser tomada na crise, pois quando a ela chega e o empresário está desprevenido, o rumo é um só – falência. O trabalho para enfrentar a crise é constante. Uma empresa deve ser administrada por quem entende de negócios, de mercado e por quem entende de números. Muitos empresários possuem grande conhecimento em seu ramo de atividade, mas pecam na gestão, esses necessitam de um consultor para fazer sua empresa progredir. O trabalho da consultoria será desde o princípio, pois irá traçar o planejamento financeiro da instituição. Muitas das grandes empresas já previam a crise e estavam preparadas para enfrentá-la, pois tinha pessoas trabalhando fortemente em seu planejamento financeiro, realizando projeções, previsões e se antecipando a crise firmando contrato de proteção do Dólar com as instituições financeiras diminuindo assim o impacto com alta da moeda americana.

Analisando os fatos, os dados e a situação econômica atual, os empresários não podem ficar parado vendo a crise os derrubar, se a implantação de uma gestão especializada não foi dada no princípio, ele pode agora tomar suas providencias, pode procurar um consultor. Esse profissional irá ajudá-lo na análise de seu negócio, que ações devem tomar, onde mudar e como mudar para sair da crise.

Podemos concluir, nem sempre é como diz um ditado popular “o olhar do dono engorda os bois” pois podemos afirmar que o olhar de um profissional externo pode ajudar a prosperar o empreendimento.

Fonte: Vanessa Ribeiro

2017-11-05T17:44:11+00:00 By |Novidades|0 Comments